terça-feira, 22 de agosto de 2017

Saídas e Entradas

Saídas

Ao que parece William não está assim tão confirmado na Premier League. Segundo as notícias existe uma diferença substancial entre o que o Sporting pede e o que os clubes ingleses querem dar. E aqui residem dois bons sinais: 1 - Não há assim tanto desespero para fazer a "tal" grande venda da época; 2 - Os bons valores do plantel não saem de qualquer maneira da equipa, mas sim pelos valores que a SAD considera ajustados. William é um óptimo jogador, ainda jovem mas já com muita competição principal no curriculo, internacional A e campeão europeu, não tem histórico de lesões graves e mantém uma folha disciplinar completamente imaculada. Isto tem valor, muito valor.

Entradas

Na Quarta-Feira, na Roménia decide-se a entrada do Sporting ou na Champions ou na Liga Europa. Depois de miraculosamente ter ficado como cabeça de série no sorteio e tendo saído de forma não menos afortunada o emblema teoricamente mais acessível do lote de adversários, resta à equipa leonina confirmar o seu favoritismo frente ao Steua e regressar a Portugal com uma vitória (ou empate com golos) e a entrada na principal competição mundial de clubes.

Não é tanto pelos milhões que pode perder que o dano de um insucesso poderá marcar a época da nossa equipa, mas sim pela oportunidade desperdiçada - desportivamente a equipa Romena é muito menos apetrechada de talento, tem muito menos soluções e só colectivamente e tacticamente poderá levar-nos de vencida.
É pois hora de mostrarmos o que valemos com conjunto e de JJ confirmar o seu estatuto, sobretudo não inventando soluções que a equipa não tem ou que a tornam menos eficaz dentro de campo. O tempo é de união e de confirmação. Se a nervoseira europeia não tomar conta dos nossos jogadores e aplicarmos tudo o que correu bem em Guimarães, até acredito que o jogo poderá ficar decidido bem cedo. Mas falta ainda fazer...tudo.

PS - Vai ser preciso cuidado redobrado com este árbitro. O nosso histórico recente aconselha-o.

Saudações Leoninas.

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Uma diferença importante

Há para já uma diferença substancial entre a última época e a presente. Marcos Acuna, Piccini, B.Fernandes, Battaglia, Mathieu, Fábio Coentrão, Dumbia e A.Pinto não foram contratados para estarem no banco ou fora das convocatórias. Matheus Oliveira é, até agora, o que mais se aproxima com a taxa de aproveitamento do passado e um ou dois entre 12 aquisições é um desiderato bastante mais agradável.

Não podemos deixar de reflectir o que isto dará ao plantel durante a totalidade da época, até porque até agora apenas R.Semedo e P.Oliveira (jogadores com utilização efectiva) saíram do clube. É certo que estamos a chegar ao momento dos grandes negócios europeus, mas imagino que saindo algum peso pesado, os substitutos já estejam encontrados e de forma a que o plantel não perca competitividade.

Ainda será cedo para bater palmas ao "mercado" realizado pela SAD, mas há indicadores positivos que podem ser ampliados e com uma habituação e integração...muito melhorados.

Saudações Leoninas

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Agora é agarrar a sorte

Sinceramente, o Sporting não podia ter tido mais sorte no sorteio para a pré-eliminatória da LC. O Steua de Bucareste era mesmo, em teoria, o adversário mais acessível. Mas deste momento para a frente é preciso encarar o clube romeno com todo o respeito e seriedade, pois qualquer oponente tem obviamente a capacidade para discutir o acesso à fase de grupos. A alegria pelo resultado do sorteio tem de dar lugar à mobilização dos adeptos (para os jogos nas duas mãos) e sobretudo ao foco total dos jogadores.

Arrogância e descontração nunca foram bons aliados para chegar a objectivos e estar presentes na fase de grupos da Champions é um prémio demasiado valioso para embarcar em excessos de confianças prematuros. A nossa equipa e os adeptos têm de confirmar nos estádios e no relvado a sua superioridade e só então regozijar com a meta atingida. Relembro a directiva para esta época enunciada por BdC há vários meses: tolerância zero. E é isso que devemos fazer, todos. Principalmente dando tolerância zero à arrogância ou falta de apoio à equipa.

Saudações Leoninas



quinta-feira, 3 de agosto de 2017

"Gosto de dinheiro, desde pequeno"

Um jogador valer 220 milhões é qualquer coisa que faz pensar. O futebol está mesmo a mudar e os clubes a perder o controlo do mercado que criaram. Desengane-se que Neymar "escolheu" o PSG. Escolheu o dinheiro e mesmo descer os degraus competitivos que separam a Liga Francesa da Espanhola é peanuts face ao salário que ficará a ganhar. O que isto quer dizer sobre a tal "indústria" do desporto-rei? Infelizmente nada de bom e tudo de bom, conforme a visão de quem observa o fenómeno.

Se formos adeptos de um desporto totalmente liberal, onde quem tem mais dinheiro vence na maioria dos casos pois pode formar melhores equipas...a transferência de Neymar é só mais um hino à força do capital para impor a sua democraticidade condicionada. Se ao invés, formos um pouco mais conservadores e temermos a lei do mais rico, diminuindo a história e o mérito das organizações...este é um profundo sinal de alerta. Sou claramente um "desconfiado" quanto ao futebol-indústria e mais ainda quando metade das conversas sobre bola já são sobre questões financeiras.

Olho para o recém-promovido Girona, pequeno emblema catalão que após ser comprado por um grupos de investidores, tornou-se numa espécie de satélite do Manchester City (um emblema que como sabemos também é detido por capital árabe). Alguém sabe o que poderá valer este clube daqui a 2 ou 3 anos se for porto de abrigo a um imenso (e expectável) investimento externo? Poderá lutar por uma vaga europeia, por finais de Taças do Rei, algo mais até? De repente um clube de 4.000 adeptos, com um estádio com capacidade para 9.000 pessoas pode acelerar um percurso que naturalmente lhe poderia demorar uma ou mais décadas a fazer. E qual o mérito? Dinheiro.

Temo pelo tempo em que ser um grande clube signifique ter um grande investidor e que os adeptos ou as vitórias deixem de ser a razão de grandeza. Quando já nada mais interessar do que ter o financiador mais abonado, o futebol pertencerá às empresas e os clubes serão meras barrigas de aluguer. Essa será a era do futebol sem espectadores (figurantes sem expressão) e dos jogos sem paixão. Sem exemplo nas NBA e NFL ou MLB, pois estas têm profundo sentido regional ao contrário dos grandes emblemas europeus...e temo por essas comparações, como me assusta o deleite que os meios de comunicação exibem com a passagem de Neymar para o PSG. "É uma notícia marcante". Pois é, mas e que tal pensar sobre o que significa?

Saudações Leoninas.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

À sombra, escondendo os baldes

Num dia o Benfica consegue dizer (de fonte oficial que não é oficial) que não foi notificado pelo IPDJ quanto à suspensão do Estádio da Luz e no dia seguinte entregar um novo regulamento que anula o motivo de suspensão (do qual não tinha conhecimento). Ao terceiro dia é levantada a interdição, não sem antes Vieira ter afirmado que tinha a certeza que tal iria suceder.

Um caso decidido a uma velocidade tão acentuada que só pode indicar uma coisa: o Benfica tem acessos "especiais" ao desenvolvimento processual dentro do IPDJ e especial diferimento quanto às suas conclusões. Como se explicaria então que um processo guardado na gaveta durante anos, tenha levado 2 dias (!!!) a contra-argumentar e 1 dia (!!!) a aceitar o contraditório?!
Isto não é sério e não pode ficar à margem de uma averiguação interna! O IPDJ é uma entidade pública, paga com o dinheiro dos contribuintes e no mínimo carece de uma longa explicação, pública, todo este "caso das claques".

Sugiro uma leitura bastante atenta ao post do Mister do Café sobre o caso:
http://misterdocafe.blogspot.pt/2017/08/impunidade-total.html

Sinceramente já não há palavras para o grau de influência a que entidades de serviço público permitem ao clube encarnado. Só neste caso estão completamente comprometidas as acções e as regulamentações de PJ, PSP, Ministério Público, Secretaria de Estado do Desporto, IPDJ e FPF. Tudo porque as claques do Benfica não querem ser legalizadas, como todas as outras...mas querem receber os apoios, como todas as outras. Aparentemente podem fazê-lo e com o alto patrocínio de todos estes responsáveis políticos, jurídicos e policiais.

Confesso que os restantes clubes e respectivas claques até têm revelado uma enorme paciência com todos estes privilégios, mas poderá estar para breve uma posição conjunta (pelo menos das claques que não temem as retaliações do Estado Lampiânico) quiça mostrando aos responsáveis que se a lei não é para todos, não serve para nenhum. E aí quero ver se o IPDJ consegue manter-se à sombra da bananeira, enquanto esconde os baldes de merda do clube de Carnide.

Saudações Leoninas

terça-feira, 1 de agosto de 2017

A cedência da lei, estimula o crime

O problema da legalização das claques é antigo e tarda em ser entendido na sua extensão verdadeira. Não é uma questão de ter ou não ter uma claque organizada, como a imprensa faz questão de nos narrar, mas sim se vamos evoluir para a institucionalização dos grupos de adeptos organizados.
É que de um lado só há vantagens e do outro há apenas a eternização de velhos problemas, como a não existência de um corpo jurídico, uma correspondência que possa ser incriminada em caso de infracções, que as há, aos molhos durante o ano desportivo.

Nenhuma claque deseja ser reconhecida como "organização" e só o aceitaram pois os clubes fizeram disso depender a continuidade de apoios, diga-se bilhetes a preços controlados, cedência de instalações e em alguns casos apoio nas deslocações aos jogos fora. Mas houve um clube que decidiu dar esses apoios em troca de zero responsabilização - o Benfica. Ao fazê-lo e nunca explicou as razões dessa tomada de posição, distorceu o equilíbrio e até a evolução das outras claques como assunção daquilo que deviam ser - grandes massas de apoio às suas equipas nos estádios.

A filosofia de banditismo e aventura criminal é um cancro que devora a reputação e legitimidade das claques de futebol. Caminhar para a extinção desta lógica é avançar para a legalização, normalização e reconhecimento legal das suas estruturas e isso devia ser o que os clubes desejariam, mas infelizmente há um clube que não parece muito preocupado com esse desenvolvimento, juntando-se neste como noutros casos ao lado mais obscuro, mais opaco, mais duvidoso da gestão desportiva. O recente "caso IPDJ" só mostra o quanto estão apostados em dissimular a verdade, em contornar leis e regulamentos, em fazer prevalecer os estatutos de irresponsabilidade, quando pelo histórico são os maiores provocadores de ocorrências graves, como o homícidio de outros adeptos.

Fica no ar uma total conivência da direcção de LFV para com a marginalidade destes "grupos de sócios" e uma forte marcha atrás no caminho da pacificação do nosso futebol. Desta vez até contaram com o Instituto Português para o Desporto e Juventude que se acobardou, preferindo ceder em vez de interceder a favor da legalidade e a favor de ambientes mais seguros nos estádios e nos acessos aos jogos. A fotografia não podia ser pior e os mesmos que deviam proteger o desporto e os adeptos foram, neste caso, os mesmos que lavaram as mãos com o sangue das próximas vítimas. Porque se tarda em respeitar os verdadeiros lesados deste embróglio...os adeptos e uma convivência do futebol num contexto de família.

Tudo porque não há coragem em cumprir a lei. Assim o crime ou a conivência com o mesmo, de certeza que compensa, pois não há outro argumento que me convença que essa é a verdadeira razão pela qual não se quer ver uma claque legalizada...a manutenção dos "braços armados" que dependem só e apenas só da carteira de quem manda no clube. É no fundo a mesma coisa que ter seguranças privados profissionais e capangas a soldo. Diz muito mais de quem os paga.

Saudações Leoninas.

sexta-feira, 28 de julho de 2017

Uma mentira dita muitas vezes...

Todos (ou quase todos) os comentadeiros da praça coincidem numa observação ao mercado do Sporting: o clube está a investir muito dinheiro em aquisições de jogadores e terá obrigatoriamente de alienar uma ou mais das mais valias no plantel para fazer face ao que já gastou até agora.
Como gosto de entender as "verdades", separando-as das mensagens oriundas de cartilhas, fica aqui apenas um pequeno reparo, que faço com factos e não com contas de merceeiro:

Piccini
Bétis (ESP) - 3M
Coentrão
R.Madrid (ESP) - Empréstimo
Mathieu
Barcelona (ESP) - Livre
A.Pinto
Sp.Braga (POR) - Livre
Battaglia
Sp. Braga (POR) - 3.5M + Esgaio
B.Fernandes
Sampdoria (ITA) - 8.5M
Matheus Oliveira
Estoril (POR) - 1.5M
Acuña
Racing (ARG) - 9.6M
Doumbia
Empréstimo c/ opção

Vamos então às contas, coisa que devia ser feita por quem se apregoa preciso no comentário, mas...:

Contratações: 26.1 M - Dispensas: 21.1 M = Prejuízo (investimento) de 5 M

Entendem agora a estupidez da narrativa do "...O Sporting está a gastar muito..."? Sim, em termos salariais a despesa vai aumentar bastante, mas esse não é o item que a imprensa realça nas análises (até porque não é público a massa salarial de cada contratação). O que dói a muitos encartilhados é que o Sporting está a compor uma equipa mais forte sem cometer loucuras, coisas como Rafa por 23 milhões e Jimenez por valores idênticos ou mesmo Carrillo (o jogador a custo zero mais caro da história do nosso futebol).
De relembrar que o clube tem ainda alguns jogadores no mercado, onde poderá ir resgatar alguns milhões (Marvin, Schelotto, Douglas, Heldon, Slavchev, B.Ruiz e Castaignos).

Saudações Leoninas

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Um mau treino para adeptos sugestionáveis

A partir do momento em que surgiu a notícia que entre os 2 encontros programados com o Mónaco e a Fiorentina seria colocado um jogo treino com o Vit.Guimarães fiquei com a sensação que seria uma partida acima de tudo para dar jogo e rodagem aos elementos com menos minutos da pré-temporada. Com particular destaque, Adrien, William e Gelson precisam de facto de mais jogo pois só tinham participado em meia partida até então.

O que não esperava mesmo era a diversidade táctica utilizada. JJ experimentou que se fartou e fê-lo ao mesmo tempo que poupou titulares. O adversário ao invés jogou com o figurino habitual emulando provavelmente a equipa que enfrentará o Benfica na SuperTaça. O resultado ficou à vista. Não dou especial importância ao resultado e muito menos à exibição, mas concordo que talvez tivesse sido melhor escolher um oponente que procurasse do jogo o mesmo que nós ou de uma valia mais acessível.

Nem todos os adeptos saberão distanciar o que viram do que é a realidade do potencial do plantel. Nem têm na verdade de o fazer, mas o Sporting deveria e poderia ter distinguido a lógica do jogo e esta não era compatível com uma transmissão de tv. Das duas uma: ou jogava com o Guimarães e com transmissão tv, mas dentro do padrão táctico mais habitual ou escolhia testar modelos alternativos com suplentes (ou jogadores fora de posição) realizando um treino à porta fechada com um emblema menos exigente.

As consequências desta derrota não irão além de uns quantos adeptos revoltados e descrentes e uma ligeira desconfiança quanto às segundas escolhas na defesa, mas até estas podiam ter sido evitadas.
Só para se ter uma ideia do quanto a imprensa se delicia com o resultado estes "ensaios" leoninos, basta dizer que o campeão em título perdeu com uma equipa da II divisão inglesa (que até teve de jogar com menos um jogador durante a 2ª parte) e venceu pela margem mínima um clube da 4ª divisão do mesmo país. Não vi análises alarmantes, juízos de valor sobre alguns atletas, avaliações aos defeitos do ataque ou qualquer outro sector da equipa.

Obviamente que foi um mau resultado e é claro que o recurso a sistemas alternativos deve merecer uso mais cauteloso. Também é fácil apontar que não há nenhum jogador (além de A.Geraldes) capaz de substituir Piccini e não havendo Dost, não há tantos golos. Essa é a verdadeira lição deste encontro. Preocupante para mim foi a revelação feita por JJ no final da partida. A.Pinto, A.Geraldes, Piccini e Mathieu estão com problemas físicos. Se somarmos Coates (expulso) a este lote, poderemos ter uma defesa frente à Fiorentina composta por...Coentrão, Tobias e...jogadores da equipa B. A uma semana e meia do primeiro jogo da Liga, isto é que me preocupa.

Saudações Leoninas

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Os Putos, parte MMXVIII

Geraldes, Matheus, Domingos Duarte, Gauld, Ruiz, são alguns dos jovens que acabam de sair do elenco principal para outros clubes da I Liga. A eles até é provável que se junte Gelson Dala. Como já disse (tantas e tantas vezes) é preferível que joguem do que se arrastem no banco (ou nem isso). Na idade que têm, a evolução sem jogar é residual, se é que existe. Logo, se não o vão fazer dentro do clube é completamente óbvia a valia de um empréstimo.

Embora esta seja a questão principal, há uma outra que tem feito "correr muita tinta" pelas redes sociais e essa reside na capacidade que alguns destes "putos" teriam de se afirmar como opções válidas na primeira equipa. Antes de dar opinião, vamos a factos:

1/ Os jogadores têm sido opção secundária na pré-época;
2/ Na construção do plantel, nenhum deles teria via aberta como 2ª linha. No máximo seriam 3ª opção.
3/ Deste lote apenas D.Duarte teve uma época completa realizada. A maioria regressou ou ingressou na Sporting A, mas foi na B que teve mais oportunidades.
4/ Todos eles têm contratos de longa duração, não se prevendo para já a alienação de nenhum dos contratos.

Discutir o papel destes atletas como úteis na equipa principal é discutir a avaliação feita pelo clube e por JJ. Como é óbvio todos teremos direito a fazê-lo, mas convém reflectir numa pequena questão: estaremos na posse de todos os dados sobre a aptidão dos jogadores para vingar como titulares? É que se não reunimos essas informações ou certezas, como poderemos questionar a opção de empréstimo? Até que ponto a nossa opinião deve suplantar o julgamento dos profissionais que acompanham estes activos diariamente, tantas horas por dia?

No campo teórico, Geraldes ou Matheus são craques. Sê-lo-ão nas quatros linhas? Agora? Valerão mais que os presumíveis titulares? A quem disser que sim, respeito a crítica assertiva a estes empréstimos pois têm a convicção que mais uma época no plantel principal não seria desperdiçada. Mas aos que não tiverem a mesma visão tão clara e definida, recomendo que não "prendam" estes jovens activos do clube a permanecerem no Sporting, estagnando uma evolução que até os pode trazer de volta com um capital muito maior do que o actual.

E se afirmo isto, defendo também que apenas deverão regressar a meio da temporada à casa mãe se estiver claro e bem claro que vão ser opção na maioria das jornadas ou se os empréstimos não estiverem a garantir essa mesma rentabilidade.

Saudações Leoninas

terça-feira, 25 de julho de 2017

Saber emprestar também é uma arte

Muito melhorou na estratégia de empréstimos do futebol do Sporting. Tempos houve em que ceder um atleta a um clube terceiro era uma espécie de roleta que colocava os nossos activos em qualquer clube, sem qualquer resguardo pela razoabilidade e adequação do jogador ao clube, ao meio, ao estilo de jogo. Hoje em dia, melhoraram-se alguns parâmetros, mas ainda assim é preciso fazer mais para, por exemplo evitar erros recentes como emprestar Tobias ao Nacional ou Chaby ao U.Madeira.

Pode não ser fácil conseguir o clube perfeito para um jovem atleta, pode até não existir muito interesse em alguns dos "emprestáveis" pelo Sporting, mas alguns itens deveriam ser condição obrigatória:

1/ Fazer corresponder o tipo de atleta e posição ao estilo de jogo do clube e do futuro treinador;
2/ Não existirem anti-corpos com o clube ou com o futuro treinador desse emblema (por parte do Sporting);
3/ Não fazer baixar, nem elevar demasiado a fasquia - em relação à evolução do jogador;
4/ Encontrar parcerias dentro da I Liga, II Liga e clubes de outros campeonatos para ter um leque de cenários bastante abrangente e com vários graus de exigência:
5/ Acompanhar assiduamente a carreira do atleta ao longo do ano, com relatórios que reportem a validade do empréstimo e os ganhos obtidos;
6/ Concebo até a vantagem de premiar o clube anfitrião com a cedência de uma pequena percentagem do passe do atleta (caso a cedência se comprove num ganho absoluto para a valorização do jogador, p.e. 2 ou 3%)

Há muitas formas de tornar um empréstimo num caso de sucesso, tal como é puro amadorismo pensar que o talento do jogador e o facto de contribuir na totalidade (ou quase) do pagamento do seu salário será o quanto baste para que a operação seja bem sucedida. O futebol actual é uma intensa rede de interesses, aos quais não escapam treinadores, empresários e principalmente os gestores dos clubes. Compreender estas teias é essencial para escolher os melhores caminhos para os atletas.

Quantos bons jogadores se perderam nos últimos 20 anos por uma deficiente evolução nos clubes emprestados, quantos passaram ao lado das melhores oportunidades por desinteresse (ou interesses diferentes) de treinadores incompetentes?

Saudações Leoninas

segunda-feira, 24 de julho de 2017

E ao 6º jogo...

...em pleno Alvalade e frente ao adversário mais cotado da pré-época, o Sporting exibiu os princípios do que pode vir a ser uma equipa ao nível dos objectivos a que se propõe. Deve porém ser realçado o acréscimo que deu Gelson Martins e Acuña ao onze inicial. Houve mais ideias, mais velocidade e jogadores como B.Fernandes e Dost souberam acompanhar a mudança metida acima.

Há alguns pormenores a afinar, sobretudo na defesa, que continua a deixar os pontas de lança adversários receber a bola com linha desimpedida para a baliza. Isto pode ser uma consequência natural de fazer avançar a linha para reduzir espaços de criação de jogo ao oponente ou simplesmente uma dificuldade entre os defesas de comunicar a movimentação da linha (Coentrão, Mathieu e Piccini) são elementos novos na rectaguarda.

O resultado foi bom, mas poderia ter sido diferente, um erro de Tobias (faz parte) deu ao Mónaco um golo (que até mereceram pelo que jogaram durante os 90m) mas este poderia ter sido o primeiro jogo com de "baliza limpa" tal foi o acerto e concentração de toda a equipa a defender. Ficaram sem dúvida bem vincadas as opções de JJ para o plantel final que deverá ser algo parecido com:

Patrício, Beto, P.Silva
Piccini, Foulquier (rumor)
Coentrão, J.Silva
Coates, Mathieu, A.Pinto, Tobias
William, Battaglia
Adrien, B.Fernandes, M.Oliveira
Gelson, Iuri, B.Cesar, Acuña
Dost, Doumbia
A.Ruiz, Podence

3 dúvidas:

1- Vai o Sporting assegurar um ponta de lança para servir de back-up a Dost (Doumbia revelou-se muito precipitado a jogar sozinho na frente);

2- Petrovic e Matheus Pereira cabem neste plantel se ninguém sair?

3- A lateral esquerda parece-me de elevado risco. Coentrão pela vertente física, Jonathan pela incerteza do que pode valer como titular caso a primeira opção não esteja disponível.

Agora também é tempo é de encontrar as melhores opções para os jogadores que não tiveram lugar no plantel...e são muitos. Alguns estão quase, outros longe de uma solução, mas convém tratar bem destas dispensas, é que mesmo sem espaço dentro da equipa, continuam a ser activos (alguns até bem caros).

Jug (?), A.Geraldes (?), F.Geraldes (Rio Ave), R.Gauld (Aves), Leo Ruiz (Boavista), Palhinha (?), B.Ruiz (?), Douglas (?), Zeegelar (?), Schelotto (?), Heldon (?), Gelson Dala (?) e Castaignos (?)

Saudações Leoninas

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Perder o timing

Não digo que chamar Octávio Machado para dirigir o departamento de futebol do Sporting foi um erro. Mas talvez se tenha adiado o fim desse papel. O "palmelão" é um homem do futebol, não daqueles engravatados de iPhone na mão, mas um decano do futebol real, dos balneários, das guerrilhas e um conhecedor profundo das layers de esquemas que regem o burgo.

Quem seguiu com alguma atenção o que este ex-jogador, treinador e director foi dizendo ao longo de várias décadas terá de dar razão ao muito que foi revelando algures debaixo da sua frase de assinatura "vocês sabem do que eu estou a falar". Sim, Octávio...agora sim temos uma ideia do que estavas a falar. Mas, apesar desta validade como guerreiro anti-sistema, a verdade é que ninguém já compreendia muito bem qual era a sua função específica.

Como tal e precisamos de inserir nesta circunstância o estado de saúde que Octávio atravessou, penso que a honorabilidade de esperar pelo fim da ligação contratual não foi a melhor opção. O próprio Octávio acabou por não se pacificar com aquilo que já era mais do que óbvio, aquilo que dava à estrutura de alguma forma tinha sido ultrapassado por todos os acontecimentos recentes do futebol português.

Ontem foi dia de resposta por parte de BdC e foi...dura. Confesso que teria preferido que o presidente optasse por desvalorizar as palavras de Octávio e apenas lhe tivesse desejado "boa sorte", mas por razões que são entendíveis, BdC fez por colocar o ex-director técnico num lugar secundário revelando até algum rancor pelas palavras pouco elogiosas que dedicara não tanto a ele próprio, mas aos que acompanham a estrutura do futebol.

Espero que tenha sido o ponto final numa polémica absolutamente desnecessária, que revela acima de tudo que o timing da saída de Octávio foi demasiado tardio, quiça por excelentes razões que não foram dessa forma colhidas por quem de direito. Algo que também não surpreende ninguém. Octávio nunca saiu a bem de nada na sua vida. É a sua imagem de marca.

Saudações Leoninas

P.S. - Se Octávio foi a 3ª escolha, foi a escolha acertada. É que com nomes como Carlos Janela (o cartilheiro-mor) ou Pedro Sousa (que teve/tem um processo em tribunal com o Sporting) à sua frente...mal por mal, preferiria 1000 a escolha que acabou por ser feita.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Calma...

É claro que perder 3 vezes seguidas frente a adversários com aparente igual valia em termos competitivos é desmoralizador. Não deixa pelo menos de fazer soar alguns alarmes nos adeptos mais impacientes. Mas mesmo que tenhamos a paciência de entender que há muitas coisas a agilizar neste novo plantel e que isso requer tempo, não deixa de pelo menos servir de análise a forma como sofremos golos e a aflição que se gera para criarmos oportunidades.

Por outro lado, é mais que evidente que com Patricio a dar mais segurança ao sector recuado, Adrien e William a pautarem as manobras e o ritmo de jogo, Acuna e Gelson a abrirem espaços no ataque (colocando Dost ou Doumbia muito mais em jogo) este Sporting vai parecer outro. Será também óbvio que a integração dos reforços é ainda muito recente e por mais que B.Fernandes dê sinais de ser individualmente um bom reforço, não deixa de ser verdade que o seu diálogo com os restantes companheiros de meio-campo é ainda muito ineficaz.

Na minha opinião, o cansaço e sobretudo a demora no entendimento das manobras são o facto mais preocupante neste estágio. Muitos jogadores ainda não se adaptaram e talvez isso não fosse esperado, mas tem obviamente solução. Além disso, acredito que o mercado - o grande - está só agora a começar e muita coisa pode ainda mudar e coisas decisivas. Vamos pois ter calma e confiar nos profissionais, que é para isso que lhes pagamos.

Saudações Leoninas

terça-feira, 18 de julho de 2017

E na esquerda pá?

Parece que JJ e restantes opinion makers da praça finalmente descobriram que faltava uma solução para a lateral direita no Sporting. Isso é bom. Mas falta mais do que isso. Para lá de ter de existir uma opção a Piccini (que me parece um pouco mais dotado que Schelotto tecnicamente e com um pouco mais de noção de linha que o argentino, mas que não parece mais certeiro nos cruzamentos, para já) a meu ver seria essencial existir um back up convincente a Coentrão.

Se os azares acontecem a qualquer jogador, seja qual for a idade e a posição, Coentrão está um pouco mais acima da estatística e a probabilidade de se lesionar é bem mais evidente. Perante este facto, repito...facto, o que deve o Sporting fazer? Apostar num lateral argentino que ainda ninguém consegue prever a sua real evolução? Eu não jogaria as minhas fichas em nenhuma destas "odds". E André Geraldes deixou de ser também opção, como prova a sua última exibição. Pessimista? Sim. Duro? Sim. Desconfiado? Sempre. Os erros da época passada estão aí para nos relembrar da implacabilidade da lei de Murphy.

Foi preciso chegar a meio de Julho para existir consenso na questão do lateral direito e espero não ser preciso avançar mais um mês para olhar para a ala oposta da mesma forma. Eu sei que muitos negócios estarão ainda para serem ainda iniciados (Marvin e Schelotto que o digam) e a roda dos milhões só agora vai começar a girar a sério, mas não custa começar o quanto antes a olhar para as soluções disponíveis no mercado. É que se a roda se move, tal não significa que os preços se mantenham...bem pelo contrário.

Saudações Leoninas

P.S.- Não faço a mínima ideia se a notícia tem fundamento.

sábado, 15 de julho de 2017

Antes de criticar

...devemos tentar ver todos os lados de uma questão.
Este é um bom conselho para tudo na vida, mas especialmente bom para entender porque o Sporting leva a estágio de pré-temporada tantos jogadores oriundos da sua formação, não parecendo haver realmente hipóteses de ficarem no plantel final.

Algumas destas explicações podem estar na base da verdade e de facto tornam tudo muito mais compreensível e justificável:

1\ Fazer parte do estágio de seleção da pré-época valoriza os jogadores, especialmente os que o clube quiser emprestar a bons emblemas que os coloquem mesmo a jogar.
É um estatuto diferente sair directo da equipa B e dos júniores ou sair da equipa principal.

2\ Nem todas as contratações estão feitas, mas há amigáveis a disputar e sobretudo há treinos de 11 contra 11 para fazer. Ter jogadores que emulem o papel de futuras aquisições no plantel pode ser essencial para ensaiar muitas tácticas.

3\  O futebol é sempre imprevisível e as hipóteses de um jovem jogador convencer a equipa técnica é bem real. Os exemplos no passado são vários e lembro-me muito bem com William fez a grande surpresa dos adeptos ao conquistar não só um lugar no plantel mas na titularidade.

4\ Trazer um jovem a treinar em estágio com a equipa principal é uma enorme motivação e a melhor prova que tem importância para o clube. Mesmo não ficando ou até repetindo estágios sem fazer parte do lote final, a verdade é que é bem melhor ir do que não ir. Se nos colocarmos na posição do atleta entenderemos muito bem a diferença.

5\ Apreender as ideias do treinador principal ainda que sem continuidade na época é uma espécie de formação muito valiosa e JJ trabalha com o mesmo modelo há muitos anos. Ter a oportunidade de ir actualizando a adaptação a estas ideias é uma forma de acelerar possíveis integrações futuras.

6\ Existirá melhor forma de avaliar a evolução de um jogador do que trazê-lo para treinar com os melhores?

Pode ser que depois de lerem estes seis pontos possam entender melhor porque de 30 jogadores na Suiça, pouco mais de metade seja inscrita nesta janela de mercado.

Saudações Leoninas

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Corte e cola

Tal como havia dito no post seguido da vitória frente ao Fenerbache, não devemos aquilatar todo o valor do plantel pelos resultados dos jogos da pré-época. O de ontem foi claramente um mau teste, com a exibição de um nível de jogo muito incapaz para a solidez defensiva do Valência e a agressividade espanhola. É verdade que não devem ser ignorados os erros cometidos, muito menos a dificuldade de criação de oportunidades, mas o desconto deve ser dado a um plantel que ainda não está preparado para fazer as despesas de jogo em 180 minutos...quase seguidos, frente a duas boas equipas.

As peças mais influentes estão ou fora de forma, ou ausentes e para os restantes (que começaram os treinos mais cedo) há um longo caminho a percorrer para que se faça um filtro decisório, o episódio final para saber se ficam ou se serão emprestados. Ainda assim, arriscaria dizer que se notou pelas opções e tempo de jogo que o tal plantel pode ser fechado da seguinte forma:

1/ Será preciso uma opção na defesa direita e esquerda que não estão no plantel. A.Geraldes e Jonathan Silva não parecem ao nível do restante plantel, para o argentino pode até ser ainda cedo para traçar-lhe já o destino mas a verdade é que há negociações com o Boca Juniores. Além disso Mathieu não está a ser testado como solução na esquerda e isso quer dizer muita coisa.

2/ Apesar dos rumores que o Sporting pode avançar para a compra de um novo central, tal só deverá acontecer se a entrada de dinheiro através da alienação de soluções que ficaram de fora, forem efectivas. Ainda assim, Coates e Mathieu estão seguros e P.Oliveira, D.Duarte e Tobias são soluções a ter em conta.

3/ Adrien e William Carvalho a serem vendidos terão obrigatoriamente de ser substituidos por contratações. Petrovic, Battaglia, Matheus Oliveira e Bruno Fernandes não chegarão para fazer essa despesa tão elevada, pelo menos para já. Assim de repente diria que se os campeões europeus sairem, Palhinha e Matheus Oliveira saem também do plantel. É mesmo gente a mais.

4/ Com a chegada de Acuna, o lote de alas ficará completo. Iuri está a dar boa conta de si e até Podence está a mostrar poder ser opção na ala. Gelson não parece tão próximo da saída como há duas semanas atrás e ainda há B.Cesar ou Geraldes e Mattheus Oliveira (que também foram testados numa posição mais interior).

5/ Falta evidentemente uma alternativa a Dost e ela não é claramente A.Ruiz e será ainda cedo para o Ruiz mais jovem. Talvez o desbloqueio da venda de Castaignos traga novidades nesta matéria na próxima semana.

6/ Há excesso de alternativas para o lugar ao lado de Dost. Doumbia terá de ser uma delas. Dala, Podence e A.Ruiz são demasiados. Um grande quebra cabeças para JJ aqui nesta decisão.

Portanto se não sairem titulares previsíveis do plantel o que falta de mercado poderá ser mais ou menos isto:
1DD + 1DE + 1PL
O resto será optar pelos cortes do plantel actual, que serão muitos.

Saudações Leoninas.


quinta-feira, 13 de julho de 2017

Nem 8, nem 88

Confesso que não sou o espectador mais eufórico quanto aos jogos de pré-época. As experiências, os mistos de titulares com óbvios suplentes, as 15 substituições, os ensaios de modelos tácticos, as barrigas e as ressacas de treinos bi e tri-diários retiram às partidas a maior parte da expectativa de ver jogo jogado. Atura-se porque é o Sporting e porque há bastante curiosidade em ver algumas caras novas a jogar com a nossa camisola.

Dito isto, também convém assumir que não dou especial importância aos resultados dos amigáveis. Já vi clubes sofrer humilhações atrás de humilhações na pré-época e sagrarem-se campeões no final das contas, como já tantas vezes fomos "campeões de pré-temporada" e nem sequer um troféu vencemos nesses anos. A relatividade dos jogos e resultados é...enorme e para mim o conselho mais saudável é mesmo o aguardar sereno pelos jogos a sério, deixando a maior parte das conclusões lá para meados de Agosto.

Não vale a pena nem entrar por euforias, nem depressões. Essas ficam, para já, todas com as escolhas do treinador e a forma como vamos conseguir montar uma grande equipa, que nos permita lutar com armas poderosas pelos títulos em disputa.

Saudações Leoninas

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Como param as modas

Os plantéis até ao fim de Agosto nunca poderão ser considerados como fechados. É uma circunstância própria de não pertencer ao topo da cadeia alimentar do mercado das transferências. A qualquer momento a carambola do dinheiro pode levar um clube, recentemente vendedor, a chegar a um clube como o Sporting e fazer uma proposta convincente o suficiente para levar um activo que à partida estaria longe de ser considerado transferível.

Mesmo assim, já é possível entender que na baliza, Rui Patrício e Beto formarão nova dupla principal, restando saber quem vai ser o atleta escolhido para actuar na B e assim se tornar no 3º elemento do alinhamento. Falta, sem dúvida uma alternativa a Piccini, que estará dependente da venda de Schelotto. Já na esquerda, ficando Jonathan Silva (o que estranho, mas JJ lá saberá) e havendo mercado por Marvin, torna-se óbvio que há confiança na condição física de Coentrão, parece-me arriscado, mas os responsáveis...são responsáveis.
Nos defesas centrais, a fartura é mais que muita, mas se A.Pinto, Coates e Mathieu estão seguros, o mesmo já não posso dizer de Paulo Oliveira que, posso estar enganado mas, parece estar a ser preparado para uma cedência (resta saber se definitiva ou temporária). Entre Domingos Duarte, Tobias e Douglas deve estar encontrado a 4 escolha. Pessoalmente elegeria Tobias, já que me parece uma lástima prender a evolução de DD e errado pagar o salário de Douglas para mais uma época sem jogar.

No meio-campo está a grande dúvida deste mercado. William e Adrien estão nas listas de compras de muitos emblemas com dinheiro para gastar e o BdC, não estando a fazer de caixeiro viajante (como outros) não desdenhará realizar um encaixe volumoso o suficiente para pagar o sucesso financeiro da época inteira. Os seus substitutos estão mais ou menos por descobrir. Tanto Petrovic, como Battaglia, como até Bruno Fernandes não me parecem o grau de eficiência que o Sporting precisa nas duas posições referidas e embora tenham talento para lá chegar, não é lógico confiar em dois tiros incertos, quando se até tem margem financeira para procurar substitutos. Palhinha e Matheus Oliveira terão de esperar por oportunidades, as tais que podem surgir nestes jogos de pré-época ou rezar por uma boa carreira na Taça da Liga, em meados de Dezembro.
Nas alas, falta claramente um peso para equilibrar o talento de Gelson (Acuña parece próximo), ficando Iuri e Bruno César para as ocasiões. Não sei onde encaixar Ryan Gauld ou X. Geraldes por exemplo, mas no final de Agosto já teremos mais dados para fazer esta interpretação.

No que diz respeito ao ataque, os processos parecem-me mais adiantados. Na minha opinião faltará apenas a decisão de quem vai ser o suplente ideal de Dost. Leo Ruiz parece-me insuficiente (apesar do talento) e criminoso amputar-lhe o crescimento a jogar, portanto penso que a solução ideal seria a chegada de um jogador com provas dadas, mas de menor investimento financeiro. Para acompanhar Dost, existem várias soluções, Doumbia será a mais óbvia, mas há ainda Alan RuizDala e Podence (o que pode até ser excessivo na luta por 1 lugar com Doumbia). Via Matheus Pereira como útil nessa função, mas infelizmente JJ não o testou com convicção nessas funções e a minha esperança terá de ficar mesmo reservada aos meus instintos de treinador de bancada.

Convém também lembrar que o Sporting terá de colocar muita gente que não se encontra nestas linhas de texto, entre os quais Bryan Ruiz, Castaignos, Ewerton, Marvin e Schelotto. O que não será nada fácil pelo andar da carruagem.

Saudações Leoninas.

PS - Hoje há jogo com o Fenerbache. É às 19h30 e tem transmissão em directo através da SportTv1.

segunda-feira, 10 de julho de 2017

No pasa nada!

Os espanhóis têm uma expressão, carregada de ironia, usada para classificar momentos em que apesar da confusão total, os mais responsáveis pela criação da mesma, agem como se nada se passasse.
É este o momento actual do futebol português.
A casa arde, os pisos cedem, há cadáveres soterrados e moribundos que ninguém resgata, mas quem olhar para as pessoas mais responsáveis vai pensar que tudo está como sempre esteve, todos apresentam numa serenidade quase angelical.

É claro que todos sabemos que o início desta época vai ser uma barracada sem memória. O chavascal é imenso e promete alastrar até ao ponto de ninguém conseguir sequer inspirar uma golfada de ar fresco. Vai ser epicamente desastroso observar cada pequena polémica resultar em todos o tipo de consequências, algumas antevejo que graves. E será então que a demissão será real e será só nessa altura que os que agora deviam cuidar para arrumar a casa, vão admitir a profunda incapacidade para "mandar" o que tem de ser mandado.

Espanta-me que ninguém consiga vislumbrar o mar de conflitos em que todos estes escândalos vão desembocar e que ninguém esteja na disposição de resolver antes de resultarem em posições extremas (muito pior do que já se vê) onde literalmente vai ser impossível realizar jogos de futebol sem que os adeptos, dirigentes, árbitros ou jogadores arrisquem parte da sua integridade física ou psicológica.
Já venho a dizer isto há semanas, mas aparentemente há quem imagine uma normalidade inexistente e uma plataforma de entendimento capaz de suportar uma competição desportiva.

Não há confiança de ninguém em ninguém. Não há respeito de ninguém por ninguém. Só há vontade de ver aplicada uma justiça ausente e isso, meus caros, é um barril de pólvora prestes a explodir.
Porque ninguém diz ou faz absolutamente nada. Todos estão em gestão de crise, mudos e calados à espera que os tribunais daqui a 5 ou 6 anos deliberem a sua incapacidade para produzir aquilo que o desporto precisa - limpeza, ética, moral, práticas profissionais e respeito pelo equilíbrio.

Fica, mais uma vez, a minha nota de grave preocupação e profundo nojo pela podridão lamacenta que impede que o nosso desporto-rei seja um verdadeiro espetáculo, um desporto.

Saudações Leoninas.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

O mercado dos 3 grandes - Parte 1

A procissão ainda vai no adro (e os padres ainda estão a dormir) mas já houve algumas movimentações no mercado dos três eternos candidatos ao título. Uns mais que outros, uns mais vendedores ou compradores que outros. A estratégia dos 3 clubes é este ano muito distinta entre si, o Sporting está a tentar acelerar processos para ter um plantel o mais definido possível atacando a pré da CL com a máxima força, o Benfica está sobretudo a compor as slots dos empréstimos no mercado interno e o Porto parece sobretudo focado em realizar o encaixe suficiente para em Janeiro não sofrer nova punição da UEFA devido às regras do Fair Play Financeiro. Vamos então às apreciações:

1/ A bold estão as entradas, dentro de parêntesis estão as dispensas prováveis

Sporting:

GR
Patrício, Beto, P.Silva (A.Jug)
DD
Piccini, (Schelotto, A.Geraldes, M.Lopes)
DE
Fábio Coentrão, (J.Silva, Marvin)
DC
Paulo Oliveira, Coates, A.Pinto, Mathieu, (Douglas, Tobias, D.Duarte, Ewerton)
MD
William, Battaglia, Palhinha, (Petrovic)
MC
Adrien, B. Fernandes, Matheus Oliveira, (Slavchev, Rosell, 
ALA
Gelson, Iuri, B. Cesar, (Matheus Pereira)
MA
A.Ruiz, F.Geraldes, (B.Ruiz, R.Gauld, Heldon)
AV
Doumbia, Dost, Dala, Podence, (Castaignos, L.Ruiz, C.Ponde)

O que falta:
1 DD + 1 DE + 1 ALA + 1 AV (salvo vendas futuras)
Quem "está" no mercado:
P.Oliveira, William Carvalho, Adrien, Iuri, A.Ruiz

Benfica:
GR
Julio Cesar, B.Varela, A.Moreira (P.Lopes)
DD
N.Semedo, A.Almeida (Patrick, Hildeberto)
DE
Eliseu, Grimaldo, (Hermes, P.Pereira) 
DC
L.Lopez, Luisão, Kalaica, Jardel, (C.Martins) 
MD
Fejsa, Samaris, (Celis)
MC
Pizzi, J.Carvalho, (A.Horta, F.Augusto, M.Chrien)
ALA
Zivkovic, Salvio, Cervi, Rafa, (C.Willock, A.Carrillo, S.Agra, O.John) 
MA
Krovinovic (J.Murillo, L.Fariña, V.Andrade)
AV
Mitroglou, Jimenez, Jonas, Seferovic, (Derlei, C.Arango)

O que falta:
1 GR + 1 MA (salvo vendas futuras)
Quem "está" no mercado:
N.Semedo, Lisandro Lopez, Samaris, Mitroglou

FC Porto:

GR
Jose Sá, Fabiano, J.Costa, (Casillas, R.Gudino, Bolat)
DD
Maxi, Ricardo Pereira, (V.Garcia, F. Fonseca)
DE
Layun, A.Telles, (Rafa S., J.Angel)
DC
Felipe, Marcano, Reyes, (Boli, M.Indi, Abdulaye)
MD
Danilo (M.Agu)
MC
Herrera, A.André, S.Oliveira, (Leandro Silva) 
ALA
Brahimi, Corona, Hernâni, (Ze Manuel) 
MA
Oliver, Otávio, (J.C.Teixeira, Josué, F.Varela) 
AV
Soares, G.Paciência, Rui Pedro, Marega, (Bueno, A.Lopez, Suk, Aboubakar)

O que falta: 
1 DC + 1 MD + 1 ALA (salvo vendas futuras)
Quem "está" no mercado: 
Layun, A.Telles, Felipe, Marcano, Reyes, Herrera, A.André, S.Oliveira, Corona, Marega

Saudações Leoninas

terça-feira, 4 de julho de 2017

"Fraude e Corrupção"...oh o escândalo!

Ontem foi dia das noviças e meninos de seminários terem acordado para o facto de alguém no desporto afirmar que existe fraude e corrupção nos movimentos de transferências de jogadores no futebol. Nunca tinham pensado nisso e até ficaram chocados com a afirmação, pois pensavam que no futebol português tudo era feito com uma lisura angelical.

Bruno de Carvalho não fez mais do que dizer aquilo que todos sabem que existe, mas porque foi o Presidente do Sporting a fazer essa enorme revelação, aqui del' Rei que tem de provar esse facto. Como se fosse preciso que alguém tivesse de provar que:

a/ Muitos presidentes e outros dirigentes de clubes recebem "luvas" por fora de empresários, prejudicando os seus próprios clubes, ou no mínimo, criando vantagem negocial ilícita nas transferências;

b/ Muitas empresas e empresários (que nada têm a ver com o futebol) participam ilegalmente em negócios de compras e vendas de jogadores, tornando-se "third party owners", estatuto proibido pela UEFA;

c/ Há falsificação de números de transferências nas declarações fiscais dos clubes e dos jogadores, que estão também reflectidas nos relatórios de Orçamento e Contas dos clubes, que por sua vez distorcem a regulação da UEFA quanto às regras do Fair Play Financeiro;

d/ Os grandes empresários canibalizam os pequenos agentes de jogadores, muitas vezes falsificando contratos de representação, fugindo a cláusulas e não respeitando quaisquer acordos verbais;

e/ Muitos empresários financiam a vida privada de jogadores, às vezes até dos seus familiares, criando uma dependência total do jogador às suas representações, materializando uma nova forma de escravatura contratual em que o jogador é claramente incapaz de romper.

f/ A luta pela representação de jovens ainda longe da idade de contratos profissionais chega ao ponto de se realizarem contratos junto dos pais com autênticos subornos e sujeições das famílias a cláusulas inválidas à luz da Constituição Portuguesa.

g/ Há problemas evidentes nas credenciais emitidas pelo fisco Português que permitem aos clubes profissionais disputar a I e II Liga. Clubes como o Vitória de Setúbal e muitos outros vivem numa eterna ruptura financeira, mas o Estado (sabe-se lá como) continua a "avalizar" comprovativos de não dívida e cumprimento da mesma...mesmo quando todos sabem que o clube não gera receitas compatíveis com esses acordos;

h/ Os contratos de cedência de passe e partilha do mesmo entre clubes em Portugal, permite quase tudo. Até que um clube contrate dezenas de jogadores sem qualquer intenção de os fazer alinhar nas suas equipas, mas sim garantir poder sobre terceiros, criando todo um novo contexto para a expressão de "tráfico de influências".

Como podem ver, é fácil em pouco mais do que 2 ou 3 minutos apontar graves problemas no mercado de transferências em Portugal e não sou eu que tenho de fazer prova alguma, eu sou adepto. Não cabe também a BdC fazer essa investigação e prova. Para isso temos polícia, temos Ministério Público, temos juízes...ou não temos? E não imaginem que há falta de indícios, pois mesmo eu que não tenho acesso a algum agente do futebol já ouvi tanta coisa, imaginem quem participa disto todos os dias.

Há indícios e bastante evidentes que tornam a frase de BdC bastante fácil de compreender e contextualizar. O que pode existir é pouca vontade de investigar e esse é o maior problema do nosso futebol: o crime anda impune.

Saudações Leoninas.


segunda-feira, 3 de julho de 2017

Adrien e William. Uma história de saídas.

São dois dos melhores jogadores que o Sporting produziu nesta década e habituamo-nos tanto à sua inevitável transferência que muitas vezes nos esquecemos do que fizeram e fazem ao serviço do Sporting. Não serei hipócrita ao ponto de dizer que são indispensáveis. Pelo valor certo, todos os atletas podem ser tranferidos e estes dois óptimos jogadores não fogem a essa regra. E para quem lê este blog, não será surpresa se voltar a escrever que estão, os dois, provavelmente na hora perfeita para uma despedida.

Mas não nos enganemos. Não será fácil encontrar dois jogadores tão bem adaptados ao clube, às ideias de JJ, com a quantidade de talento que têm. No caso de serem vendidos (penso mesmo que o serão) as chuteiras que deixam vazias serão difíceis de re-ocupar e só um grande trabalho de scouting garantirá que não andemos a lamentar a sua ausência na próxima época...tal como lamentámos bastante a saída de João Mário (e não nos lembrámos tanto de Slimani porque o substituto foi devidamente encontrado em Dost).

E qual o valor certo para ambos? Costuma-se dizer que o valor certo é aquele que os clube estão dispostos a dar. Sinceramente não acho que esta seja uma boa medida para aceitar ou recusar uma proposta. Há comparações e valias próprias a respeitar, há ligações e laços afectivos a valorizar. Adrien e William não são só mais dois jogadores no mercado, são dois atletas com um passado dentro do clube e na Selecção bastante valioso, dois jogadores que não sendo perfeitos são sinónimo de regularidade exibicional. Dão garantias.

Adrien, a meu ver, aos 28 anos e como capitão estará um pouco menos valorizado, mas ainda assim a fasquia dos 30 milhões é obrigatória. Acima de tudo é um jogador com 6 épocas de grande rotação, enorme estabilidade e habituado a uma responsabilidade enorme. Quem levar este jogador sabe que está a fazer uma operação de risco reduzido e isso também tem muito valor na hora de discutir os milhões. William tem mais "mercado", com 25 anos (e até mais experiência como internacional) ocupa uma posição chave no terreno e embora tenha um estilo de jogo mais paciente e regrado é um garante táctico e muito valioso para clubes que valorizem a posse de bola. 35 milhões é para mim a bitola mínima, mas sinceramente acredito que possa mesmo chegar aos 40, especialmente depois dos seus últimos jogos na Rússia.

70 milhões mínimo pelos dois seria um cenário aceitável. Desde logo garantiria as verbas necessárias para cobrir todo o investimento já realizado e a escalada natural da massa salarial, tal como João Mário e Slimani o fizeram na temporada passada. Mas, e há sempre um mas, para que falemos de sucesso nestas operações, às saídas devem equivaler entradas que permitam não diminuir a capacidade do plantel. Alienar os bons jogadores pode ser trágico se o equilíbrio for de alguma forma quebrado e a lição da época que findou foi mesmo essa. Por melhores que tenham sido as intenções, o Sporting de 16/17 não foi tão eficiente como o de 15/16 e na mudança de jogadores alguma coisa se deve ter perdido, embora não tenha sido essa a única razão.

Veremos o que sucede nos próximos dias. Os jogadores foram dispensados da Selecção e já se encontra aberta a nova época (até nas operações financeiras das SAD's) e há todas as razões para acreditar que desta vez o "mercado" vai mesmo chamar por William e Adrien. Confio na capacidade negocial de quem chefia o Sporting e não espero surpresas negativas a este respeito, mas desejo acima de tudo que se encontrem clubes com estatuto adequado e que façam o nome do Sporting estar associado a grandes jogadores, que conseguem ainda evoluir mais e melhor, depois de sairem do clube.

A este propósito, lamento profundamente que um jogador com a qualidade de Ruben Neves, esteja encaminhado para a 2ª divisão inglesa, para um clube que ficou em 15º lugar na temporada passada. Os milhões do Mendes e as necessidades de vender não deviam criar "exilados" em jogadores tão jovens e sobretudo tão talentosos. Más notícias para o futebol, mas quem se preocupa realmente com isso? Veremos a FPF ou algum seleccionador abordar este assunto?

Saudações Leoninas

sexta-feira, 30 de junho de 2017

Acuña e Doumbia

Dois jogadores de bom nível que podem (e sublinho o factor hipótese) vir a representar o Sporting. Um ala, que pode e sabe recuar (será que JJ vai fazer das dele...) no corredor e um avançado de grande mobilidade. Duas peças que faltaram na época passada e à qual junto dois laterais ao nível das restantes posições.

Acuña 

É um ala que embora já tendo afirmado os seus créditos, falta ainda aquele último patamar que o transformará num jogador de excelência, mas esse é um estatuto pelo qual o Sporting não pode esperar, pois chegando aí, valerá uma transferência completamente fora do nosso alcance financeiro. Atacar enquanto é tempo, pode ser a garantia de recrutar um jogador de inegável talento e esperar que a sua adaptação ao futebol europeu seja rápida e sobretudo aceleradora de uma maturidade na definição das jogadas que ainda não tem.

Doumbia 

Um caso muito diferente. Com uma experiência que acumula já várias ligas mundiais (Costa do Marfim, Japão, Suiça, Rússia, Itália e Inglaterra) este jogador apresenta como cartão de visita uma enorme disponibilidade física e um estilo de jogo destemido que o faz disputar cada bola com a garra e assertividade que se reconhecem aos bons jogadores africanos. Não é um atleta de grandes recursos técnicos, mas sabe muito bem dividir a frente de ataque com outro avançado e pode ser uma excelente opção para acompanhar Bas Dost, não sendo propriamente um "dador de golos". Acima de tudo será a sua capacidade para atrair marcação e romper espaços que libertará Dost para ser o último a definir.

Imaginar Acuña, Gelson, Dost e Doumbia numa frente de ataque (mesmo que numa valorização relativa) com Iuri, Dala, A.Ruiz e outras novidades que vão ainda ter que chegar...é pelo menos promissor.

Saudações Leoninas

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Más notícias

Custou a todos e imagino o quanto deve ter custado aos jogadores e seleccionador, mas deve existir crítica, tanto quanto existiu louvor há pouco menos de um ano.
No jogo da meia-final de ontem, Portugal jogou bem mas não o suficiente para ultrapassar a boa equipa que é o Chile. Oportunidades houve, para ambos os lados (diga-se), mas fica uma enorme sensação de desperdício e alguns erros de Fernando Santos.

Nenhuma das substituições melhorou a exibição ou eficácia da equipa. O seleccionador mexeu mal no onze e em vez de nos aproximar-mos do objectivo, distanciamo-nos, caindo no erro de esperar por um qualquer "golpe de Eder" que não chegou. Até nos penaltis estivemos sinceramente mal, o que denota a distância que nos separou do Verão anterior. Azar é uma coisa, falhar todas as penalidades marcadas é outra.

Outro erro crasso foi a escolha e permanência em campo (quase até final) de André Gomes. Se na selecção jogam os melhores ou os que estão em melhor forma, não consigo ver onde é que este parâmetro encaixa no triste, ineficaz e trapalhão jogador do Barcelona. Não discuto que seja bom jogador, mas está muito longe do seu melhor (há muito tempo) e isso deveria retirá-lo das primeiras escolhas da Selecção. Deveria. Fica a sensação que tinha de haver montra para acalmar um Barcelona furioso com um activo que não tem mercado.

Eliseu. É certo que era um back-up a Guerreiro, mas esteve sempre muito longe da qualidade dos seus companheiros. No Benfica disfarça (e sabemos porquê), mas ontem foi indisfarçavel a falta de qualidade deste experiente jogador, mais um erro de "quotas" de clubes que custou caro ao corredor esquerdo da selecção.

A táctica. Como joga o Chile já todos sabem e Juan Antonio Pizzi não mudou nada no que tem sido a disposição e estilo de jogo desta equipa. Ainda assim, a defesa e o meio-campo português foram constantemente apanhados em falso pelo mesmo tipo de movimentações em diagonal, aos 114 minutos ainda não tínhamos encontrado forma de fechar o espaço entre laterais e centrais...desesperante e incompreensível. Só não pagámos mais caro esta "burrice" porque estava lá Patrício e a pontaria dos chilenos não esteve certeira.

"Saímos de cabeça erguida" como todos os derrotados saem, mas com muitas culpas no cartório e se esta selecção quer fazer do Euro2016 mais do que um "milagre", então tem de acabar com as "quotas" de empresários e acabar com o "logo se vê" e "pode ser que uma entre" táctico. Ou somos bons e melhores que os outros ou não somos. O que não somos de certeza é um bando de veteranos à espera que a sorte do jogo dite vitórias, sem que nos atrevemos a mostrar que a merecemos.
Espero que ontem tenha tido fim o estilo "à grega" das nossas quinas.

Saudações Leoninas

PS - Um grande abraço a esse grande Sportinguista Dr. Eduardo Barroso e um enorme respeito por dizer e escrever sempre o que pensa, doa aos nossos adversários o que doer. Uma chapada de luva branca que ABola não saberá entender nunca, de tão vendada pelas cartilhas que anda.
Os jornais pensam ter descoberto na subserviência a sua salvação. Eu penso que encontraram um acelerador do seu fracasso. Os leitores conseguem cada vez menos distinguir os jornais desportivos entre a propaganda de clubes e empresários e isso terá custos bem graves.

quarta-feira, 28 de junho de 2017

BiCampeões!!!!

Bi-Campeões! É verdade que o Sp.Braga apenas num jogo pareceu ter o que era preciso para realmente discutir o título com o Sporting, mas isso não retira mérito a nosso clube e à nossa equipa. Merecemos ser distinguidos como a melhor equipa de futsal em Portugal e esse estatuto está bem evidente neste título, mais um que se soma a muitos outros e faz do Sporting uma potência europeia neste desporto.

Parabéns aos jogadores, aos treinadores e dirigentes que souberam ultrapassar uma derrota pesada na CL e eliminação da Taça. É verdade que reunimos as condições para ter ido um pouco mais longe no número de troféus conquistados na modalidade, mas o caminho deve ser mantido e quiça até reforçado. Os sucessos raramente são instantâneos e não será preciso grande poder de memória para nos lembrarmos do que alguns emblemas europeus investiram (e durante quanto tempo) para se poderem atrever a chegar a uma Final Four da CL, quanto mais vencê-la.

Saudações Leoninas.

segunda-feira, 26 de junho de 2017

A idade de uma inocência rasca

Devo dizer que acho um gesto de profundo mau gosto graffitar, sujar, borrar, seja qual o recurso eleito, os símbolos dos clubes adversários.
Não respeitar o que é dos outros é o primeiro sinal de inveja ou receio e por mim nunca um Sportinguista se daria ao trabalho, ao risco e à bimbice de desrespeitar estátuas, paredes, ou outra coisa qualquer dos nossos rivais.
Ser de um clube com a dimensão do Sporting implica também grandiosidade nos seus adeptos e lá porque há uns “índios” que têm por costume andar a pintar coisas de vermelho, isso não faz com que tenhamos de devolver o gesto. Parece-me uma brincadeira bastante infantil, para rapagões de tatuagens e bíceps ultradesenvolvidos, um diálogo de “infantes” que, ao contrário das lições que tiveram dos seus pais, não limpam o que sujam propositadamente.

Que os membros das claques ilegais do Benfica não tenham esta maturidade eu até compreendo, pois nunca espero sinais de qualquer coisa adulta vinda daquele lado, mas espanta-me até que as células mais “inquietas” do Sporting não tenham ainda crescido o suficiente para entender isto. Se querem vingança, há formas mais criativas e até úteis ao Sporting de o fazer. É que normalmente a “criançada” não acha piada ficar a brincar sozinha.


Saudações Leoninas

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Mais Carvão...e anónimo.

Vi e escutei com especial atenção o que Saraiva disse ontem na emissão especial da SportingTV e pela minha parte considero-me avisado para o possível carvão que o Benfica venha a colocar nos media. É típico dos cobardes, que em vez de enfrentarem quem os acusa, em vez de responderem à letra pelas acusações que lhes são feitas, reajam espalhando novas mentiras sobre terceiros, esperando desviar as atenções sobre si mesmo.

Considero até uma profunda falta de imaginação escolherem as comissões das transferências de jogadores de futebol para incriminar Bruno de Carvalho. Se há presidência que se tem esforçado por colocar o máximo de transparência neste capítulo, essa é a presidência actual do Sporting. Rapidamente, tanto quanto possível, todos os dados de todas as transferências são publicados no nosso jornal e partilhados nas redes sociais, dando total esclarecimento quanto ao que quem pagou o quê, quem recebeu o quê, quem se compromete com que cláusulas.

Tomara o Benfica estar tão "limpo" e "arrumado" em todos os processos de aquisição e alienação de passes de jogadores, como nós estamos e acho profundamente irónico que o clube mais useiro do Carrossel do Mendes, se ache com autoridade para acusar outros emblemas de desvio de dinheiro para off-shores. Para quem ande mal informado, muitos (quase todos) os jogadores e treinadores representados por Mendes estão a contas com o Fisco Espanhol, precisamente por fuga fiscal e desvio de verbas para paraísos fiscais.

Nesta questão há por aí muitos "telhados de vidro" e espero sinceramente que não se venha a descobrir que os esquemas "apanhados" em Espanha, não o venham a ser também em Portugal e sofra o clube encarnado, através das dezenas de jogadores que recebe de Mendes todas as épocas, as consequências do que se presta para acusar o Sporting.

Aguardemos então por essas denúncias anónimas, pois que não imagino nenhum responsável do Benfica com a coragem e a puta da lata para fazerem eles mesmos as acusações, ao contrário do que fez Francisco J. Marques do Porto com os emails ou BdC com os vouchers. Serão as típicas "investigações" do CM, as narrativas arfantes da CMTV, os painéis cartilhados da TVI24 e os artigos e crónicas do Record e d´ABola a fazerem as despesas do costume. Serão os avençados da cartilha-mãe a carregarem estas mirabolantes acusações, que terão como aliados os espasmos inflamados dos Hugo's Gil desta vida.

Assim que "florescam" estas plantações, conto com a rápida resposta do departamento jurídico do Sporting e com a sanidade mental de todos os sportinguistas para mostrar bem ao Primeiro-Ministro Vieira que o Sporting passou há muito a fase de comer gelados com a testa e que cá estaremos com pás e vassoura para lidar com o carvão de Luis Bernardo, com as fábulas de Carlos Janela e sobretudo com a conivência sem escrúpulos dos chefes de redacção de jornais e TV. Aliás os mesmos que porventura não reconhecem ao #BenficaGate essa mesma importância.

Saudações Leoninas

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Vergonha...é dizer pouco

Ontem foi dia de mais umas revelações desse imenso rol de podridão chamado #BenficaGate. Desta vez foram precisos apenas 2 e-mails (e meio) para gerar “pano para mangas” durante toda a próxima semana. E que mangas foram:

1/ O Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga (durante o mandato de Mário Figueiredo) endereçou a Pedro Guerra um arquivo de sms´s pessoais do então Presidente da FPF, Fernando Gomes.

2/ Nuno Cabral, à data delegado da Liga enviava a Pedro Guerra, detalhes comprometedores sobre a vida pessoal de alguns árbitros

3/ FJM deu a entender que consta dos e-mails em sua posse, esquemas de prostituição que envolvem responsáveis do Benfica

A gravidade destas acusações é…total. Primeiro, fica a noção clara que até o Presidente da FPF é vigiado “à lá KGB”, assim como é vasculhada toda a possibilidade de encontrar podres nas vidas de dirigentes e árbitros. Não sejamos ingénuos, isso só tem uma intenção - chantagear, ter poder de controle sobre as pessoas em causa, reduzindo a sua idoneidade, limitando o quadro das suas ações. Se isto não configura crime e coação desportiva, não sei o que raio quererá dizer então.
São evidentemente modus operandi típicos de uma qualquer máfia, comportamentos de quem não teme a justiça, seja ela criminal ou desportiva. São comportamentos de gente sem moral ou ética nenhuma para ocuparem qualquer cargo na FPF ou Liga. 

Vejo as redes sociais afectas ao clube encarnado a fugir a este tema, a escapar à reflexão mais óbvia de todas: estes são os dirigentes que querem ao comando do seu clube? São estes comportamentos passíveis de algum tipo de justificação ou defesa? Quanto mais tempo vão andar a fazer flashback’s para se convencerem a eles próprios que os dirigentes dos outros clubes são tão maus como os seus? Onde mora a vergonha? Para onde foi refundida a crítica ou o orgulho pela honestidade? Para debaixo do quê se varreu a “luta pela Verdade Desportiva” que tanto orgulhava a tantos adeptos do Benfica?

Chegou-se a um ponto onde até os próprios meios de comunicação temem investigar, revelar, reflectir sobre o #BenficaGate e estamos sobre o caso mais bombástico desde o Apito Dourado. Não haverá interesse público? Relevância desportiva? Magnitude criminal? O que leva a tantas redacções a permanecerem silenciadas, imóveis, alheadas de um dos casos mais graves de corrupção desportiva de sempre? E não me venham com a história da dúvida sobre a veracidade da prova. Com muito menos se escreveram bíblias nos jornais, se encheram semanas de airtime na rádio, se encheram painéis nas TV´s para dissecar todos os ângulos possíveis. 

Porquê? Pergunto-me tantas vezes sobre estes silêncios. Não têm vergonha, nojo, dignidade profissional? Ninguém é capaz de entender que muitos como eu estão a entender claramente o seu compromisso com alguma ordem ou interesse externo às suas obrigações como órgãos de comunicação social, como jornalistas, como cidadãos não pactuantes com crimes ou deformidades sociais? Vão suportar a mancha de terem fechado os olhos, tapado os ouvidos e a boca? O que isso dirá da sua autoridade para nos relatar eventos futuros?
Meus caros, não são só as instituições desportivas que estão em causa nesta bronca épica. A imprensa ou aquilo que para mais serve, também. Questiono, duvido, suspeito da lisura e independência de todos estes ditos analistas, cronistas e jornalistas. Pois se calam por uns e ladram a outros, para mim, não servem. Falta-lhes o mais importante, a isenção.

Noutro sentido, aguardo a posição da FPF, de Fernando Gomes, de Vieira, de tanta gente visada nesta quantidade de merda gigante que nos entra pela mente dentro. Estão todos a ficar atolados de trampa até ao pescoço e as desculpas esfarrapadas que mandam outros dizer colhe tanto ou tão pouco como a probabilidade de estarem inocentes do que lhes é imputado. Já vêm tarde as demissões. Já passou de prazo de validade a tomada de posição. Já é infinitamente tarde para achar que tudo vai ficar como dantes. 
Não. Isto atingiu o ponto em que só a PJ e o MP podem resolver e eu sei (todos sabem) qual seria o fim para estas personagens: tudo na cadeia! Tudo fora do desporto! 


Saudações Leoninas.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Comparar o incomparável

Doumbia ou Podence? Iuri ou Pity Martinez? Por estas alturas somam-se todo o tipo de opiniões sobre todo e qualquer rumor de jogador para o Sporting. Na pressa de criar julgamento ou opinião, na ânsia de valorar as possíveis aquisições produzem-se "provas" muito dúbias que servem para muito pouco mais do que fazer um like ou pensar durante 3 ou 4 segundos no que é proposto.

Nestas verdadeiras "tribunas de mercado" chega-se ao ponto de comparar coisas distintas, medindo sabe-se lá o quê ou de que forma. Tenho para mim que os jogadores não se comparam e que esperar mais ou menos rendimento de algo que não coincide sequer no tempo ou no espaço é um exercício completamente estéril.

Uma laranja não é a soma de duas tangerinas. Dois abacaxis não igualam um ananás. 10 fatias de picanha não é o mesmo que uma posta à mirandesa. Nem sequer se pode dizer que uma opção é melhor que outra, a subjectividade e total, uns gostarão mais de uma, outros de outra. Aliás nem sequer é um favor que se possa estar a pensar fazer ao jogadores da nossa formação. Eles mais do que ninguém adorarão serem comparados a grandes jogadores, mas até que ponto não se lhes exigirá um estatuto para qual não estão ainda prontos?

A pressa nunca foi boa para desenvolver jogadores. Metemos isso na cabeça, de uma vez por todas.

Saudações Leoninas

terça-feira, 20 de junho de 2017

Plantel 2017/18 - Considerações

Bom...muitos rumores, ainda poucas confirmações. Uma coisa é inegável, o plantel da próxima época não parece vir a ser o resultado de nenhuma marcha-atrás financeira, ou seja, menos artilhado de soluções que os anteriores. Ainda será cedo para tirar conclusões, mas fica um esboço de algumas considerações, as que alguém é capaz de fazer olhando para o desenvolvimento das notícias.

Guarda-redes
Patricio e Beto (faltará eleger um 3º guarda-redes, que evoluirá na equipa B, mas estará de plantão a época inteira. Há bastantes alternativas e de grande futuro como P.Silva e Max)

Defesa Direito
Piccini e Schelotto, pelo menos para já. Não estranharia que o Sporting tivesse um "alvo" já preparado para acertar, caso surja uma proposta pelo italo-argentino. Falou-se de Maicon e Orejuela, duvido que seja alguns destes, embora JJ seja um fã de há muito do brasileiro.

Defesa Esquerdo
Marvin, Jonathan Silva e Coentrão. Com a chegada do internacional português é inegável que a posição foi reforçada, mas apenas em teoria. A julgar pela últimas épocas do caxineiro, será sempre uma possibilidade recair no holandês a missão de fazer o lugar grande parte da época e sabemos como isso não tem corrido bem nas anteriores. O argentino, na minha opinião não vem para ficar e a solução ideal, a meu ver, seria pelo menos contratar um lateral esquerdo jovem que pudesse vir a evoluir na equipa B, mas que face a alguma contingência estivesse maduro o suficiente para ser chamado ao plantel principal e por lá permanecer como aposta factual e não apenas para preencher vaga de treino.

Defesa Central
Paulo Oliveira, Douglas, André Pinto e Coates. Mathieu parece já bastante próximo e Gaston Silva um verdadeiro interesse do Sporting. O que isto quer dizer? Bom, desde logo que dois dos que estão (ainda) no plantel irão sair, o mais fácil de prever neste quadro é Douglas. Mas e o outro? Sinceramente penso que será Paulo Oliveira. Desde logo porque a sair Coates, o nível de reforços a chegar seria algo diferente e A.Pinto acabou de chegar, logo...

Médio Defensivo
William Carvalho e Palhinha. Se quisermos ser realistas, teremos de imaginar a posição 6 ocupada por um jogador que não William Carvalho. O timing de venda é agora e mesmo que saibamos que é um jogador que nenhum adepto ou treinador quer perder, a verdade é que se nota que o caminho de William precisa de outros horizontes para evoluir. Além do mais a verba que o Sporting receberá será, com alguma precisão, mais que suficiente para encontrar uma alternativa, talvez não tão talentosa, mas ainda assim uma alternativa.
O nome mais apontado para esta missão tem sido Bradaric do Rijeka (campeão croata) e dizem os entendidos que não será uma aposta em vão.
Como 2ª linha, Palhinha é uma solução, mas para ser completamente honesto, saindo WC, será preciso encontrar um elemento mais experiente e preparado. A hipótese de o substituto de William não render o esperado não pode apressar o desenvolvimento de Palhinha.

Medio Box-to-box
Adrien, Matheus e Battaglia. Tudo o que foi dito sobre William é válido para Adrien. O seu valor de mercado pode ter atingido o seu zénite e não será a carreira na Taça das Confederações a mudar grande coisa. Aos 28 anos é a altura ideal para render uma grande verba ao clube e um óptimo contrato ao jogador. Mas, no caso dessa proposta não chegar, é mais do que bem-vinda a sua permanência e essa despreocupação é bem visível na falta de nomes para o substituir. Mattheus é uma hipótese, mas não tenho tanta certeza que seja um 8 e ainda mais dúvidas me levanta a qualidade de Adrien comparada com a do brasileiro ex-Estoril. Será Bruno Fernandes?

Alas
Gelson, Bruno Cesar, Iuri Medeiros e Matheus Pereira. Não incluo neste lote de soluções Bryan Ruiz. O seu caminho no Sporting como ala penso ter chegado ao fim e veremos ser vai evoluir noutra posição ou se vai evoluir de todo dentro do Sporting. Mas é mais que óbvio que ter uma equipa completamente coxa não vai ser uma solução. Apenas Gelson é curto e por mais que vejamos talento em Matheus, está na cara que irá ser emprestado e isso leva-nos directamente ao lote de alas argentinos que está a ser noticiado como alvos do Sporting. Pity, Pavon, Acuna são alguns nomes apontados e penso mesmo que um deles acabará por chegar ou...dois, caso Gelson saia também.
Idealmente nenhum clube bateria a cláusula e o nosso melhor ala ficaria mais um ano, mas...há muito dinheiro em jogo. Ainda assim, ter o ala com mais potencial do mercado, pode e deve valer um pouco mais do que 50 Milhões (se tantos por aí valem 40...).

Avançado / Médio Atacante
Podence, Gelson Dala, Geraldes, Bryan Ruiz e Alan Ruiz. São demasiadas soluções para uma vaga que pode nem existir durante 95% das partidas. JJ é um obstinado do 4-4-2 e logo não há lugar central extra por ocupar no meio-campo. A existir, ter Podence, Ruiz e Geraldes é mais do que suficiente. Bryan é para sair e em função de falso ponta-de-lança já provou ser ainda menos eficiente. Nesse papel caberá a Gelson Dala mostrar o que vale ao treinador, mas suspeito que mais tarde ou mais cedo acabe por chegar um reforço para essa posição. Teo é para mim, uma carta muito fora do baralho.

Ponta de Lança
Dost, Spalvis e Castaignos. Duas saídas de caras do plantel que não faço ainda a mínima ideia como quererá o Sporting substituir. Henrique Dourado do Flu seria uma alternativa de luxo a Bas, mas não será fácil de o convencer a aceitar esse papel, ainda assim existe outro rumor, persistente diga-se, sobre Florin Andone, veremos. Em todo o caso, a terceira vaga poderá até ser ocupada por Leo Ruiz da equipa B, olhando a que as duas primeiras terão 90% do tempo de jogo disponível.

Saudações Leoninas



segunda-feira, 19 de junho de 2017

A nódoa Mendes no pano Ronaldo

Tenho imenso orgulho e gratidão no que significa desportivamente Ronaldo para Portugal e para o Sporting, mas toda esta bateria de media a especular sobre a saída de CR7 do Real Madrid provoca-me um nojo absoluto. Como é óbvio, o capitão da Selecção não tem interesse nenhum em sair do clube merengue, e qualquer jornalista sabe disso muito melhor do que eu. Mas há gente com acesso muito fácil aos jornais e tv´s e consegue mover uma máquina para que esta faça o "ruído" pretendido, originando uma pressão política inevitável.

Não deve ser por acaso que esta vontade súbita de Ronaldo (que lembre-se ainda não fez nenhuma declaração oficial) de mudar de ares, acontece logo a seguir à revelação de um processo que o colocou numa imensa resma de atletas (todos representados por Mendes) apanhados a fugir ao fisco espanhol. Para o empresário maravilha europeu, safar Ronaldo de algo que por exemplo condenou Messi, é um must. Limpando o ás, abre caminho à "limpeza" das manilhas, reis e duques. Ao contrário de toda a cortina de fumo gerada, esta conflitualidade com a máquina fiscal do nosso país vizinho não é um preciosismo técnico.

Os agora tão badalados "direitos de imagem" são apenas mais um nome novo para um problema antigo. As "luvas" ou "pagamentos por fora" são tão velhos como eu e começaram a ser usados como forma de aligeirar a carga fiscal que os (agora) imensos salários devem aos estados. Mendes, assim como outros empresários, usaram os mesmos mecanismos de fuga aos impostos que muitos políticos ou empresas, enviando partes "separáveis" dos seus vencimentos para supostas agências de "gestão de direitos de imagem" sediadas em paraísos fiscais.

O problema é que os jogadores de futebol recebem muito dinheiro "por fora", ou se quiserem, os seus "direitos de imagem" são bastante avultados e as verbas desviadas por esquemas como o de Jorge Mendes foram fáceis de detectar numa inspecção combinada por vários ministérios de países europeus. A "choradeira" dos estados de alma da Ronaldo são apenas uma forma, bastante podre diga-se, de forçar os políticos responsáveis pela "fiscalia" espanhola a dobrar a coluna, cedendo ou aligeirando as penas criminais correspondentes - e de forma directa - aligeirar as possíveis responsabilidades do(s) seu(s) empresário(s).

É que muita gente anda distraída, mas o dinheiro será sempre pago - porque é mesmo devido. A questão mais embaraçosa é a prova de que existiu perfeita noção de estar a ser cometido um crime de evasão fiscal e todos podemos imaginar que não foi o Cristiano, sentado ao lado da Dª Dolores que se pôs a congeminar uma complexa rede de partilha e repartilha de verbas em várias empresas e em vários paraísos fiscais. E assim nascem várias notícias, de vários nadas, vindos de quem mais teme estes processos e de quem não hesita em "apertar" políticos na hora de safar o rabo.

E eu pergunto-me: será só em Espanha? Só em Inglaterra? Só em França? E Portugal?
Os nossos silêncios são tão absurdos como as capas de jornais que se mandaram publicar, como os políticos que rapidamente se levantaram em indignações fajutas nas tv´s lusas, como os vários experts que agitaram a bandeira da perseguição, mas que não nos conseguem explicar uma coisa tão simples: CR7 pagou o que devia ou não? CR7 fugiu ou não fugiu aos impostos? Quem são os responsáveis?
Ficamos apenas a saber que há leituras diversas da lei, omissões técnicas, o blá, blá, blá típico de quem se refugia nos vazios das dúvidas e é capaz de defender um crime, porque "não pagar é diferente de desviar" ou "omitir não é esconder".

Ao menos em Espanha houve "cojones" para expor isto. A resposta de CR7 e Mendes? "Ah...se não gostam de mim, vou-me embora". O que é que o cu tem a ver com as calças pergunto eu?

Saudações Leoninas

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Reacionários

Depois de passarem quase duas semanas sem tentarem sequer ensaiar uma justificação ou defesa quanto ao conteúdos dos emails revelados, o Benfica prepara-se para entupir os media com aquilo que se pode chamar de "contra-ataque", tentando nivelar a opinião pública arrastando os outros dois grandes, para o que irá apresentar como "casos semelhantes".

Para que se entenda bem o que está prestes a acontecer, é o mesmo que alguém se apresentar em tribunal para se defender de uma acusação, levando (aquilo que considera como) provas de que outros cometeram também os crimes de que é acusado. Patético ou desespero? As duas.
Quem fica completamente a nadar na maionese são todos aqueles adeptos benfiquistas que têm clamado por respostas claras e convincentes, desmentidos, negações, qualquer coisa que invalide o que o Porto tem apresentado.

Começo cada vez mais a entender que o Benfica não tem defesa alguma ou justificação racional para apresentar e isso torna tudo ainda mais grave. Tão grave que a suposta entrevista de Vieira ainda não encontrou agenda. Tão grave que nenhum dos nomes visados teve sequer a vontade de emitir uma declaração. Apenas Guerra com as suas amnésias e o ex-Presidente da Liga vieram a público, ambos confirmando a veracidade dos e-mails, de forma distinta.

Os media, entretêm-se e entretêm-nos com mil e uma justificações, mil e uma prova de que não há matéria grave. Sabem o que estão a fazer e porque o fazem, como sabem que o que estão a dizer é falso. É grave e há regulamentos que enquadram os castigos por este tipo de procedimentos. "Mas não há ganhos directos do tráfico de influência?" dizem...e eu respondo: como é que eles sabem? Como obtiveram essa conclusão?

Não. Tentar exercer coacção ou tráfico de influência é tão criminoso como o conseguir. A prova até é bastante simples e há inúmeras nos e-mails revelados. Podem colocar os especialistas que quiserem, a dizer o que for mais conveniente, mas a verdade é que parecem mais "psicólogos" para acalmar o pânico do que pessoas isentas a citar e a interpretar as leis adequadas aos casos.

Saudações Leoninas

quarta-feira, 14 de junho de 2017

A Estocada no Coração do Morto

Quem conseguirá acreditar no futebol português, depois de ler, ouvir ou ver, as últimas revelações do Porto Canal? Presidente, vices, toda a cúpula do Benfica está completamente incriminada numa operação de tráfico de influências a uma escala global. Pelos e-mails é mais que óbvio que controlam tudo e todos. Impunemente.

Árbitros na mão. Delegados da Liga na mão. Observadores e classificação de árbitros na mão. Está tudo na mão de Vieira e a única coisa que se pode mesmo retirar destas revelações é que o Benfica, não só venceu tudo, como continuará a fazê-lo sem que qualquer outro clube consiga escapar aos penaltis manhosos, às expulsões do costume, aos amarelos "controladores", às faltinhas convenientes que amputam o fio de jogo a qualquer equipa.

Ter todo o aparelho da arbitragem na mão é algo que sabemos bem ser decisivo. Nem sequer é preciso jogar bem, ser melhor, ter melhores jogadores ou excelentes treinadores. O apito corrige qualquer um destes handicaps. E tem-no feito.

Acima de tudo, o que me escandaliza mais é a permissividade de todos os responsáveis e instituições desportivas no nosso país. Isto é uma bandalheira total, onde a cobardia e o colaboracionismo fazem escola e distribuem os proveitos pelas ilhas de interesses. Não há PJ em Portugal? Não há investigação alguma? Não há leis para cumprir? Não há interesse dos media em revelar seja o que for? Não há nada?

Os poderosos e corruptos são intocáveis a um ponto que me choca. Nada ninguém os confronta. Nada nem ninguém tem sequer transmitir a verdade. Impera o medo, governa o banditismo, estamos manietados pela ameaça e pela perseguição dos "padres" e dos rebanhos de acólitos que nos ameaçam por e-mail, que nos prometem danos familiares pelo facebook, pelos insultos continuados e orquestrados nos twitters.

Haverá quem ache (e nos tente fazer acreditar) que isto é só mais um episódio triste do futebol português. Eu acho que é muito pior que isso. É a sua derrocada. Salve-se o Benfica, mas que se foda o todo, inclusive o Benfica.

Arrastamo-nos para o fundo, com a sensação de que nada é possível fazer. Tudo está condenado, tudo é imerecido. O futebol português chegou ao nível da merda absoluta. Puna-se a verdade, mas deixe-se a mentira continuar a enganar-nos. Nós merecemos. Ninguém é já capaz de um grito de revolta. Nem o Porto que revelou a prova de que tudo está manietado e distorcido, é capaz de tomar uma posição drástica.

Saudações Leoninas