quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Tantos Olivers

Há coisas inexplicáveis e depois há as "coisas" do Mendes. Se Charles Dickens fosse vivo tenho a certeza que se inspiraria na série de acontecimentos fenomenais que rodeiam o longo e interminável conto que é a atividade do Sr. Comendador.

O "Twist" mais recente é uma comédia singular, que narra a história de um menino espanhol que é comprado por um clube de futebol português, mais teso que um cara
pau. 

Embora não fosse sequer racional investir 20 milhões, quando se estava aflito para vender património, o clube contaria com o Comendador para cobrir a cláusula e sem querer dar um valente spoiler nos que ainda não sabem o desfecho desta história, digo-vos só que o coitado do Oliver vai acabar por andar numa "roda" viva, a servir de azeite para muita pasta trocada.

SL

7 comentários:

  1. acho que a Jorge Mendes Enterprise devia assumir como logótipo o Pinguim, assim com as mãozinhas colocadas para receber dos dois lados...

    ResponderEliminar
  2. O segredo desta compra é muito mais simples do que isso.

    Na 3ª feira, o diretor de comunicação descaiu-se e disse em directo na televisão que a opção de compra era obrigatória.

    Na 4ª feira, percebeu-se que a existência dessa cláusula implicava que o Porto tin ha mentido à CMVM, uma vez que o comunicado feito na altura do empréstimo ocultou a obrigação da aquisição do passe.

    Ou seja, o porto omitiu da CMVM a existência de uma responsabilidade no valor de €20M, o que, convenhamos, não é assim a coisa mais fácil de acontecer no mundo.

    Para abafar o tema, o porto avançou de imediato para a compra.

    ResponderEliminar
  3. Seus burros, 20 milhões pelo Oliver, ainda por cima pagos em prestações é como se fosse ao preço de banana.

    Já pagaram o estádio antecipando os pagamentos e tendo agora menos custos financeiros.

    Se agora compram jogadores a 6 milhões, no futuro irão comprar jogadores a 10 milhões.

    ResponderEliminar